As Máscaras e as Defesas

Nossa essência primária de coragem, amor e sabedoria determina que tipo de personalidade teremos: Vontade, Emoção ou Razão. Tenha o cuidado de não concluir equivocadamente que somente os tipos Vontade dispõem de força de vontade, somente os tipos Emoção têm sentimentos, ou apenas os tipos Razão são inteligentes. Todos nós contemos a essência dessas três qualidades divinas, mas em cada um há uma delas que se sobressai.

Na infância, ao sermos feridos, primeiro tentamos bloquear a dor segurando a respiração. Em seguida, tiramos uma conclusão para nos defender que se alinhará com o tipo de personalidade que temos.

A pessoa com a personalidade do tipo Vontade concluirá que “eu não preciso de amor”, e usará a agressividade abertamente para controlar e afastar o outro. O tipo Emoção concluirá que “se eu me sujeitar e obedecer, estarei seguro”, e passará a usar a subserviência para, secretamente, manipular o outro. A pessoa com essa característica se submete para poder dominar. O tipo Razão concluirá que “eu não sou valorizado”, e utilizará a estratégia da indiferença, do isolamento e da retirada para escapar do outro.

O que começou como uma defesa da criança interior é absorvido pelo Eu Inferior, que incorpora essas defesas em uma máscara e passa a exigir amor. O tipo Vontade usará uma máscara de poder e agressividade para conseguir tudo à sua maneira; o tipo Emoção usará a máscara do amor e se tornará “um doce de pessoa”; e o tipo Razão utilizará uma máscara de serenidade, desligando-se e acreditando que está acima de tudo.

  • #43 Personalidade—Três Tipos Básicos: Razão, Vontade E Emoção
  • #84 Amor, Poder E Serenidade Como Atributos Divinos E Como Distorções

O Guia chama as nossas defesas de “pseudossoluções”, porque elas realmente não funcionam. Os seres humanos foram perfeitamente concebidos para responder a uma ameaça real. A adrenalina entra em ação e temos uma reação instintiva que foca a nossa atenção e se concentra na nossa sobrevivência. O problema aqui é que a dor emocional não é uma ameaça real; os sentimentos não nos matarão.

Então, se essa ameaça é uma ilusão, as defesas criadas para combatê-la são igualmente irreais. Nossas defesas e máscaras são criadas a partir de estratégias ineficazes que só conseguem nos separar ainda mais do nosso verdadeiro Eu.

Pior que isso: o estado de defesa contínuo contra um inimigo ilusório ativa o nosso sistema físico, que passa a produzir continuamente uma resposta de luta ou fuga. Ao longo do tempo, as altas taxas de cortisol em nosso corpo se tornam realmente prejudiciais. Se permanecermos em tal estado, tornamo-nos menos capazes de reagir no caso de um evento com risco de vida real.

Atingimos o fundo do poço quando permanecemos na defesa por trás da nossa máscara, porque não estamos em verdade. Afinal de contas, nada pode ser resolvido quando tentamos “com mais força”, buscando apenas fortalecer a nossa máscara. Como bem disse o Helper Brian Stokes, estratégias nunca funcionam.

“Se eu tivesse perguntado às pessoas o que elas queriam, elas teriam respondido ‘cavalos mais rápidos’.”

– Henry Ford

  • #101 A Defesa

A máscara é a camada externa do nosso ser que utiliza a culpa, a vitimização e o julgamento para desviar o foco do self, enquanto chora uma falsa dor que resmunga: “Não faça isso comigo, oh vida!” A verdadeira dor é a nossa cegueira, que nos mantém alienados do nosso Eu Real.

O Guia refere-se à máscara como uma “consciência sobreposta”. Isso ocorre porque o malandro do Eu Inferior se apropria de uma qualidade do Eu Superior e a distorce, incorporando-a na máscara. Então, esse trapaceiro passa a ter, por exemplo, os traços da “bondade” ou da “retidão”, mas sempre com características de falsidade.

Criação de uma Máscara

  1. A criança sente dor.
  2. A criança toma uma decisão para evitar sentir essa dor. Por exemplo, “Eu não preciso de…porque, de qualquer forma, não terei minhas necessidades satisfeitas mesmo”.
  3. A criança teme não ser aceita e amada: “Eu não vou ter necessidades”.
  4. A criança cria uma máscara para parecer amável.
  5. A máscara mostra a falsidade.
  6. A máscara provoca a rejeição originalmente temida.
  7. A criança confirma suas crenças errôneas e se sente ainda menos aceita.

A Saída

  1. Aceite-se exatamente como você é.
  2. Solte o medo de não ser amado.
  3. Deixe as qualidades do Eu Superior brilharem.
  4. Deixe que as pessoas sejam atraídas pela sua essência.
  • #116 Alcançando O Centro Espiritual—A Luta Entre O Eu Inferior E A Consciência Sobreposta

Antes de olhar para as máscaras e as defesas mais detalhadamente, reflita sobre a objetividade e aprenda a se compreender a partir dessa perspectiva. O objetivo aqui é aumentar a consciência. Não podemos mudar algo em nós mesmos, a menos que o enxerguemos nitidamente. Então, precisamos aprender como a nossa psique se defende. Dessa forma, começamos a assumir responsabilidade pelo modo como nos mostramos ao mundo e pelo modo como, sem saber, contribuímos para criar os problemas que enfrentamos.

Em geral, cada pessoa tende a se alinhar com uma das três defesas citadas anteriormente. No entanto, podemos usar um tipo de defesa em determinadas situações e, em outros momentos, escolheremos uma outra defesa. Quando percebemos—inconscientemente, é claro—que a nossa máscara não está funcionando, tentamos mudar a estratégia: “Se a agressividade não está funcionando, então eu vou ser um capacho”. Normalmente, a retirada é um último recurso, depois de termos tentado todas as outras defesas sem sucesso.

Pode ser mais fácil reconhecer o tipo de personalidade quando observamos a máscara (ou defesa) mais utilizada. Quando uma pessoa está muito identificada com sua máscara, fica mais difícil renunciar a ela e, consequentemente, abrir mão das crenças errôneas que ela oculta. Isso também impede o encontro com a divindade real que está sendo encoberta em nosso interior.

Por exemplo, em sua essência, a verdadeira serenidade é a capacidade de ser objetivo, porque você não evita a experiência e a emoção. Você não está diretamente envolvido e identificado. O poder saudável é o poder de dominar a si mesmo e as dificuldades sem a necessidade de provar qualquer coisa a quem quer que seja. Quando você adquire o domínio, o faz por uma questão de crescimento, e não para provar a sua superioridade.

Em sua essência, o amor não é um meio para atingir um fim. No amor genuíno e não autocentrado, você transmite amor e compreensão na interdependência saudável. O amor não tomará o lugar da falta de autoestima.

Moira Shaw escreveu sobre os atributos divinos distorcidos em máscaras e utilizados como defesa*:

Máscara do Poder | Agressividade como Defesa

O tipo “força de vontade” tem a coragem como essência primária. Na distorção, esse tipo usará a agressividade abertamente para controlar os outros. A pessoa cobre isso com uma máscara de “espírito de luta”.

Regras | Nunca mostre sua vulnerabilidade, dependência, desamparo, emoções • Tenha sempre um “espírito de luta” • Seja agressivo, forte, independente • Não tenha necessidades, seja duro.

Traços | Orgulhoso das suas realizações • A “força de vontade” é o mestre • A “perfeição divina” • Invulnerável, autossuficiente.

Falhas | Exigências excessivas, hostilidade • Necessidade de triunfar • Ciúme • Possessividade dominadora • Egoísmo

Tem Orgulho de | Falta de cordialidade • Não falhar • Realizações • Resistência • Agressividade • Ambição • Não ser indefeso, ingênuo ou dependente.

Dor da Infância | Não ter sido visto, ouvido ou entendido.

Crença | Eu não preciso de amor.

Na Profundeza | Criança indefesa

Precisa Morrer para Sentimentos de | Desamparo

Máscara do Amor | Subserviência como Defesa

O tipo Emoção tem o Amor como sua essência primária. Na distorção, esse tipo de personalidade se submete para controlar secretamente os outros. A pessoa cobre isso com uma máscara de amor adocicado.

Regras | Nunca se afirme ou encontre falhas • Ame a todos • Respeite • Venda a alma para obter simpatia, ajuda, amor.

Traços | Desamparo • “Modéstia” • “Compaixão” • “Sacrifício” • “Perdão” • “Compreensão” • “Fraternidade”

Falhas | Ganância • Avidez por apaziguamento • Subserviência • Desejo • Compulsão

Tem Orgulho de | Não se afirmar • Ser impotente • Fracassar • Fraqueza • “Compreensão” • “Modéstia” • Sacrifício

Dor da Infância | Não teve amor protetor.

Crença | Se eu obedecer, serei amado, protegido e terei segurança.

Na Profundeza | Criança privada

Precisa Morrer para Sentimentos de | Raiva

Máscara da Serenidade | Retirada como Defesa

O tipo Razão tem a sabedoria como sua essência primária. Na distorção, esse tipo de personalidade “bate em retirada” para evitar os outros. A pessoa cobre essa atitude com uma máscara de falsa imparcialidade e serenidade.

Regras | Sempre tenha um olhar benigno, imparcial • Nunca se emocione ou se comova • Seja sempre objetivo, independente • Nunca se comprometa • Veja ambos os lados • Permaneça distante

Traços | Veja além das emoções • A razão é a resposta, eu necessito compreender • A reação à derrota é a negação • Vergonha de sentir emoções, de precisar de amor, envolvimento, compromisso.

Falhas | Avareza • Rigidez • Preconceito • Egocentrismo

Tem Orgulho de | Não se emocionar • Ser imparcial • Ser objetivo, responsável e independente.

Dor da Infância | Não foi amado • Sentiu-se rejeitado, magoado, decepcionado e em conflito.

Crença | Eu não sou valorizado.

Na Profundeza | Criança solitária

Precisa Morrer para Sentimentos de | Dor

*Gráfico com os Tipos de Personalidade: Amor, Poder e Serenidade como Distorções; 1992.

No nível mais profundo do nosso ser, todos nós estamos realmente conectados. Ou, como se diz, tudo é UM. Então, quando nos ferimos, magoamos os outros, e vice-versa. De modo que prejudicamos os outros—assim como prejudicamos a nós mesmos—quando estamos agindo a partir da nossa máscara. Porque o retraimento nos rouba os sentimentos, a subserviência nos rouba a independência, e a agressividade empurra as pessoas para longe e as machuca com uma falsa superioridade.

As dores, as rejeições, as frustrações e as decepções que estamos querendo encobrir de qualquer maneira nos parecem incrivelmente pessoais para cada um de nós. Mas, na verdade, são experiências compartilhadas por todos. O fato é que todos nós viemos à Terra com a meta de transformar certos traços negativos. Dessa forma, realmente somos UM. Agora, observe se você pode sentir a dignidade dessa verdade, em vez de ficar atolado em desesperança.

A versão da máscara identificada como o Eu Idealizado tem a função de alimentar a nossa falta de autoconfiança, mostrando ao mundo uma versão fantasiosa de nós mesmos. Isso acontece porque acreditamos que essa autoimagem idealizada nos trará a paz de espírito e o prazer supremo. Os pensamentos que caracterizam o Eu Idealizado são: “Eu devo/deveria”, e todo tipo de desculpa que, infelizmente, sempre leva à frustração.

  • #83 A Autoimagem Idealizada

Um indício de que estamos em nossa máscara é um sentimento interior de urgência. No seu workshop de 2007, “Desvendando o Eu Idealizado” (“Uncovering the ISI—Idealized Self Image”), a Helper e professora Kim Rosen ensinou que declarações da máscara podem ser iniciadas por: “Eu sempre devo/tenho que…”; ou “Eu nunca tenho/deveria…”. Por exemplo, “Eu sempre tenho que resolver tudo sozinha. Eu nunca devo parecer burra”. Quando nossa máscara nos trai—ou seja, quando parecemos burros em alguma situação—o sentimento pode ser descrito como semelhante a um telhado de vidro se quebrando dentro de nós. Ironicamente, até que tenhamos a capacidade de estar conscientes disso, recorreremos a táticas da máscara, sem sucesso, para evitar esse sentimento.

No momento em que identificamos nossa postura de defesa e a nossa máscara, entra em cena o Eu Observador, ou o ego maduro, livre das teias da máscara e do Eu Inferior. Nesse momento, podemos orar para ver a verdade: “Eu não tenho todas as respostas. Eu posso correr o risco e ser vulnerável. Se eu cometer um erro, isso não vai me matar”. Então, morremos para essa verdade, liberando a dor e o medo que estavam presos por causa das falsas demandas da máscara. Quando fazemos isso, a tensão que estava no nosso corpo é liberada e nosso coração suaviza. Segundo o Guia, nossas orações para ver a verdade nunca serão respondidas com uma pedra. Batam, e a porta lhes será aberta.

Na parte mais profunda da nossa psique, sabemos que é possível uma existência mais perfeita, mas não aqui no planeta Terra. Abrigamos uma crença oculta de que, ao nos tornar perfeitos—ou, pelo menos, fingir que nos tornamos—conseguiremos o que queremos.

Porém, não é verdade que nos sentimos muito mais próximos de alguém que esteja disposto a ser vulnerável e indefeso, permitindo-nos ver sua humanidade? É uma das ironias da vida que nos aproximamos mais da perfeição quando somos honestos e nos aceitamos falíveis.

  • #97 O Perfeccionismo Obstrui A Felicidade; Manipulação Das Emoções
  • #141 Retorno Ao Nível Original Da Perfeição
  • #234 Perfeição, Imortalidade, Onipotência

Próximo Capítulo
Voltar ao Índice

Palestras do Guia do Pathwork estão disponíveis gratuitamente no site do Pathwork Brasil e, em inglês, no site da Fundação Pathwork.

Leia as Palestras do Guia do Pathwork em Português
Leia as Palestras do Guia do Pathwork em Português